top of page
  • Foto do escritorStartup Altamap

8 benefícios da rotação de cultura

Entenda as vantagens de praticar o plantio rotativo na sua lavoura.

8 benefícios da rotação de cultura

Os agricultores estão há muito tempo na vanguarda do desenvolvimento de práticas que criam e mantêm solos saudáveis. Afinal, a qualidade do solo de uma lavoura é a chave para o sustento do(a) produtor(a) rural - e a sustentabilidade da fazenda a longo prazo.


Os especialistas reconhecem os benefícios de uma abordagem sistêmica para gerenciar a saúde do solo. Mas o que é exatamente essa abordagem sistêmica? É enxergar o funcionamento do solo e como ele pode recuperar suas características iniciais de altos níveis de saúde.


Uma das formas mais benéficas para conseguir isso é através da rotação de culturas.




A rotação de cultura

A rotação de culturas é uma técnica milenar que comprovadamente ajuda o meio ambiente, melhora o solo, entre outros benefícios. Essa técnica é definida como o plantio intencional de diferentes tipos de culturas em diferentes partes do campo e em diferentes épocas do ano de forma sequencial.


Ela também envolve a escolha de não plantar absolutamente nada em uma determinada estação e permitir que a terra se rejuvenesça enquanto estiver vazia, até a próxima estação. Na rotação de culturas, também se pode incorporar a pecuária, quando a terra fica vazia para uma temporada de pastagem.


A diversidade de culturas por meio de culturas como soja - que ajuda na nitrogenação do solo -, o amendoim ou outros pequenos grãos como trigo, cevada e centeio, é o primeiro passo fundamental para uma melhor estrutura do solo.


Milho é outro exemplo de uma boa cultura de rotação para culturas como a cana-de-açúcar, por exemplo. Os resíduos do milho evitam a erosão se deixados no campo. No entanto, as raízes do milho não suportam o acúmulo de matéria orgânica no solo, nem melhoram a estrutura do solo, na maioria dos casos.


A chave é incorporar diferentes safras que crescem em períodos diferentes e têm diferentes estruturas de raízes. Além de ajudar no manejo de ervas daninhas e controle de pragas, uma rotação diversificada de culturas fornece aos micróbios do solo diferentes fontes de alimento, o que acaba tornando o solo mais saudável.




Como é feita a rotação de cultura?

A rotação de culturas é baseada no cultivo de uma série de diferentes tipos de culturas na mesma área em temporadas sequenciais. A rotação planejada pode variar de uma estação de cultivo a alguns anos ou mesmo a períodos mais longos.


Os agricultores geralmente não seguem um plano específico de rotação de culturas. Eles optam por culturas alternadas com base em seus requisitos individuais, possibilidades, condições ambientais e orçamento.


Por exemplo, um agricultor pode seguir um esquema de rotação de culturas de sete anos da seguinte forma:


Primeiro ano: milho

Segundo ano: soja

Terceiro ao quinto ano: amendoim

Sexto ao sétimo ano: pasto para o gado


Outro agricultor pode escolher um esquema mais simples:


Primeiro ano: trigo

Segundo ano: feijão

Terceiro ao sétimo ano: soja


Embora esses dois planos sejam diferentes, ambos seguem a regra geral de rotação de culturas. O princípio básico é plantar leguminosas (por exemplo, soja, feijão) após as colheitas de cereais (por exemplo, trigo, aveia, milho, arroz).


Seguir essa sequência de rotação ajuda a prevenir três problemas principais que vemos quando plantamos apenas uma safra ano após ano.


Esses problemas são:

  • Perda de fertilidade do solo: se a mesma cultura for cultivada continuamente, a planta drena sempre os mesmos nutrientes do solo. Isso eventualmente leva ao esgotamento de nutrientes e à infertilidade do solo.


  • Infestações de pragas: quando plantamos repetidamente a mesma cultura, estamos oferecendo às pragas, as condições favoráveis para que elas comecem a atacar aquela cultura especificamente.


  • Erosão: o plantio repetido da mesma cultura torna os solos mais suscetíveis à erosão. Cada espécie de cultivo tem uma forma específica do sistema radicular, necessidades de água, espaçamento entre plantas e dossel.


Ao cultivar apenas um tipo de cultura por períodos prolongados de tempo, o solo começa a sofrer erosão em locais onde as plantas o deixam descoberto e enfraquecido.




8 principais benefícios da rotação de cultura

Os benefícios da rotação de culturas são muitos, de acordo com estudos agronômicos e também com a experiência dos produtores rurais do mundo todo.


1- Redução da poluição do solo e da água

Com a intensificação do sistema agrícola, aprendemos como aumentar artificialmente o teor de nitrogênio no solo com o uso de fertilizantes. Porém, a alteração do ciclo natural do nitrogênio combinada com o uso excessivo e ineficiente de fertilizantes tem levado a uma liberação excessiva desse nutriente no meio ambiente. Isso prejudica o equilíbrio dos ecossistemas (principalmente os aquáticos).


Alguns estudos estimam que cerca de 80% do nitrogênio usado como fertilizante agrícola acaba sendo liberado livremente no meio ambiente, contaminando os recursos hídricos. O efeito mais sério da poluição por nitrogênio é a eutrofização dos corpos d'água, o que é perigoso para o nosso abastecimento de água potável e resulta em graves problemas de saúde.


Uma água rica em nitrato pode restringir o transporte de oxigênio na corrente sanguínea de bebês e causa uma condição séria conhecida como Síndrome do Bebê Azul. Se você acha que esse problema não o afeta diretamente, pense duas vezes: em 2010, o U.S. Geological Survey descobriu que 64% dos poços rasos em áreas agrícolas dos Estados Unidos tinham níveis de nitratos acima do normal. A contaminação por nitrogênio é mais disseminada do que o esperado.


Ao contrário da agricultura intensiva com fertilizantes, os sistemas de rotação de culturas reabastecem naturalmente os níveis de nitrogênio nos solos por meio da alternância de culturas de leguminosas com outras culturas.


De acordo com pesquisas, o nitrogênio fixado pelas leguminosas permanece por mais tempo no solo do que a forma fornecida sinteticamente. As culturas de rotação não liberam nitrogênio para o meio ambiente. Em vez disso, o nutriente permanece armazenado no solo para a absorção pela planta. Dessa forma, a prática de rotação de culturas reduz a necessidade de aplicação de fertilizantes e minimiza o risco de poluição do solo e da água.


Outro dado interessante: ao implementar esse sistema de rotação, o uso de fertilizante de nitrogênio pode ser reduzido em até 100kg/ha a cada ano. Isso, por sua vez, reduz consideravelmente as emissões de óxido nitroso e ajuda a prevenir novas mudanças nas concentrações de gases de efeito estufa decorrentes de nossas atividades.



2- Minimiza as emissões de gases de efeito estufa

A implementação da rotação de culturas cortou o uso de fertilizantes de nitrogênio e reduziu drasticamente as emissões de gases de efeito estufa. O potencial de aquecimento global do óxido nitroso é maior do que o do dióxido de carbono.


A redução de fertilizantes sintéticos também significa redução das emissões de gases de efeito estufa na fabricação e transporte desses produtos das indústrias até às fazendas.


Além de tudo isso, o uso dessa técnica pode resultar no aumento do conteúdo de carbono do solo por meio de períodos de alta cobertura de culturas, reduzindo a frequência e a intensidade do cultivo.



3- Maior produtividade das colheitas

Não dá para falar em rotação de culturas sem mencionar o aumento da produtividade. Todos os benefícios que vamos falar aqui, quando combinados, criam um ambiente perfeito para o cultivo de safras saudáveis e abundantes.


Diversos estudos confirmaram que essa técnica de cultivo sustentável aumenta a produtividade da colheita. Um estudo realizado pela Washington State University investigou a mudança na produtividade do milho em um sistema de rotação de culturas no Malawi. Em comparação com o cultivo de milho de plantio direto, a rotação de culturas rendeu 11 a 58% a mais.


Esses resultados positivos não são apenas para uma cultura como o milho. Soja, cana-de-açúcar e outras culturas também são beneficiadas dessa forma, principalmente devido à:

  • Supressão de ervas daninhas e pragas

  • Manutenção de solos saudáveis

  • Uso mais inteligente de nutrientes na rotação de culturas




4- Melhor estrutura do solo

A estrutura do solo é um fator importante para o crescimento saudável da cultura. Isso afeta a quantidade de raízes espaciais que precisam se expandir através do solo e a facilidade com que a água, o ar e os nutrientes as alcançam.


Se a estrutura do solo for pobre, as plantas não desenvolverão um sistema radicular saudável e não crescerão bem. Isso desencadeia um conjunto de consequências negativas para os agricultores. Eles não apenas perderão a produtividade das lavouras, mas suas terras se tornarão muito mais vulneráveis ​​à erosão e escoamento superficial, perdendo nutrientes e reduzindo ainda mais a fertilidade.


Ao fazer a rotação de culturas na mesma terra, a estrutura do solo melhora porque alternamos entre plantas com raízes profundas e superficiais. Por exemplo, a aveia tem um sistema radicular grande e profundo, enquanto o trevo vermelho tem raízes pequenas e superficiais. Ao plantar essas plantas posteriormente, seus diferentes sistemas de raízes aumentam a estrutura do solo por:


  • Aumentar a porosidade do solo

  • Estabilizar agregados de partículas do solo

  • Melhorar a gestão de nutrientes pelas plantas - a aveia busca nutrientes das camadas mais profundas do solo, enquanto o trevo retira nutrientes da camada superior.

  • Aumentar a retenção de água nos solos

  • Fornecer habitat para organismos de solo mais diversos

  • Fornecer maior teor de matéria orgânica


Um benefício adicional dos sistemas de rotação de culturas é que os agricultores podem selecionar intencionalmente a sequência de rotação que melhora a estrutura do solo quando necessário.


Por exemplo: uma leguminosa, o tremoço, tem um sistema radicular profundo que permite que a planta cresça bem em solos esgotados. E o que é mais interessante é que o tremoço repõe os níveis de nitrogênio nos solos também, preparando-os mais uma vez para as safras de cereais que demandam nutrientes.



5- Controle de pragas, ervas daninhas e resistência a doenças

Uma das principais razões pelas quais as civilizações antigas usavam a rotação de culturas era a de prevenir a propagação de pragas, ervas daninhas e doenças. Com a introdução de produtos químicos na agricultura, a necessidade de rotação de safras desapareceu.


No entanto, a aplicação generalizada desses agroquímicos tem gerado casos graves de envenenamento, contaminação do meio ambiente e até mesmo ao aumento da resistência das pragas aos princípios ativos.


Felizmente, a rotação de culturas pode evitar o surgimento de pragas ou doenças de maneira natural. Este método é eficaz porque muitos insetos e bactérias nocivos passam o inverno no solo. Se cultivarmos a mesma safra no mesmo local a cada safra, estaremos criando condições perfeitas para que suas colônias se espalhem mais a cada ano.


Muitas pragas ou doenças preferem apenas um determinado hospedeiro. Ao trocar as safras e diversificar a sequência de cultivo, retiramos seu hospedeiro preferido e causamos uma interrupção no ciclo de vida anual dessas pragas ou doenças.


A broca do caule do arroz se alimenta principalmente de arroz. Se não alternarmos o arroz com outras culturas pertencentes a uma família diferente, o problema continua, pois o alimento está sempre disponível para a praga. No entanto, se plantarmos leguminosas como a soja, por exemplo, a praga de inseto provavelmente morrerá devido à falta de alimento.


A Food and Agriculture Organization (FAO) reconhece a rotação de culturas como um dos métodos de Manejo Integrado de Pragas (MIP) - um método ecologicamente correto de produção agrícola que visa reduzir o uso de pesticidas e herbicidas químicos na agricultura.



6- Prevenção da erosão do solo

A erosão do solo se tornou um problema generalizado em todo o mundo hoje. A erosão extensiva causa muitos problemas na agricultura moderna, incluindo:

  • A perda da camada superficial do solo

  • Escoamento agrícola prejudicial

  • Aumento do risco de inundações e deslizamentos de terra devido à capacidade restrita dos solos de reter água


Enquanto a erosão do solo causa estragos nas terras cultivadas intensivamente, o plantio rotativo ajuda a prevenir todos esses impactos negativos. De acordo com uma pesquisa de um período de 13 anos de um sistema de rotação de culturas em Iowa, essa técnica reduziu a erosão em quase 90% em comparação com a monocultura tradicional de milho e soja.


Entre as razões pelas quais a rotação de culturas reduz a erosão estão:


Perturbação reduzida do solo: o solo não é lavrado com frequência. Isso é o completo oposto da monocultura intensiva, onde a terra é frequentemente lavrada todos os anos.


Culturas de cobertura: as culturas de cobertura são plantadas na terra durante a maior parte do ciclo de rotação. As plantas mantêm o solo no lugar e minimizam sua exposição direta à chuva e ao vento - os principais fatores que causam a erosão.


Espaçamento: cada cultura tem diferentes demandas de espaço. Algumas delas crescem quando as fileiras têm espaços maiores entre elas; outras culturas requerem linhas menores ou nenhuma linha. O período de deixar algumas partes do solo diretamente expostas é mais curto no plantio rotativo, porque a cultura subsequente provavelmente precisará de espaçamento mais curto ou nenhum.


Solos saudáveis: a estrutura do solo e a capacidade de retenção de água melhoradas - o solo age como uma esponja - evitam os danos causados ​​por chuvas fortes ou inundações - os gatilhos comuns da erosão.



7- Conservação de água

Em combinação com a melhoria da estrutura do solo, a rotação de culturas aumenta a capacidade de retenção de água dos solos. Solos com boa estrutura permitem rápida e completa absorção de água.


Parte dessa água é facilmente absorvida pelas plantações, enquanto a água adicional é retida mais profundamente nos poros para ser absorvida pelas plantas durante uma estação mais seca.


Nessa situação, a rotação de culturas ajuda a conservar água nas fazendas, pois a necessidade de irrigação diminui. Além disso, o plantio rotativo ajuda na redução do escoamento e perda de nutrientes do solo e no reabastecimento do reservatório de água subterrânea da fazenda.



8- Cria um ambiente mais saudável para a vida

Milhares de pessoas morrem ou sofrem a cada ano com o envenenamento por pesticidas e outros agroquímicos. Mais de 3 bilhões de quilos de pesticidas são aplicados a cada ano em lavouras em todo o mundo, com um custo de USD 40 bilhões.


É fato que o uso deles, em alguns casos, é importante para diminuir as perdas de produção por conta de pragas e doenças. No entanto, quando lançados de forma imprudente no meio ambiente, devastam silenciosamente os ecossistemas e nossa saúde.


A rotação de culturas é uma forma muito eficaz de cultivar uma quantidade suficiente de produtos agrícolas, principalmente alimentos, com o menor custo ambiental por conta de agroquímicos. A prática em si reduz significativamente a necessidade de aplicar muitos desses produtos agressivos, incluindo pesticidas e herbicidas.


Vamos a um exemplo: o algodão quando cultivado continuamente teve que receber 50% mais pesticidas do que o algodão de um sistema de rotação de culturas. Com base nesses resultados, fica claro que o plantio rotativo pode ajudar a combater a contaminação química generalizada do meio ambiente em que vivemos.


A prática é, portanto, benéfica para a nossa saúde e pode ser uma das formas de manter nossa segurança alimentar, minimizando os efeitos negativos dos agroquímicos nos ecossistemas. Isso apenas destaca a importância da rotação de culturas na criação de um futuro sustentável.

-------------------------------------------------------------


Quer começar a usar a tecnologia de mapeamento com drones para organizar sua rotação de culturas? A Altamap pode te ajudar. Entre em contato conosco!

252 visualizações0 comentário
bottom of page